China pede cuidado com alvos civis

A China disse hoje que apóia os ataques aéreos dos Estados Unidos e da Inglaterra ao Afeganistão, mas disse que é preciso evitar atingir alvos civis. Os ataques devem ser "direcionados para objetivos específicos", disse o Ministério do Exterior chinês. O Diário Popular, jornal do Partido Comunista, disse que a China se "opõe ao terrorismo em qualquer forma e apóia resoluções aprovadas pela Assembléia Geral da ONU e pelo Conselho de Segurança". "Nós esperamos que a paz seja restaurada o mais rápido possível", disse um funcionário do Ministério do Exterior que não foi identificado. China endossou a campanha contra o terrorismo lançada após os ataques aos Estados Unidos em 11 de setembro, quando dois aviões foram arremessados contra o World Trade Center, em Nova York, e um outro contra o Pentágono, em Washington. Um quarto avião foi seqüestrado e caiu na Pennsylvania. A China, entretanto, está preocupada, pois os ataques ao Afeganistão podem abrir um precedente para ações militares unilaterais, como as realizadas ontem. Por isso, o governo de Pequim pede para que as ações sejam discutidas entre os membros do Conselho de Segurança da ONU, do qual a China faz parte. Pequim pediu para que fossem reunidas provas suficientes contra o terrorista saudita Osama bin Laden, antes que um ataque fosse lançado. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.