China pede equipamentos e ajuda para região devastada

Ministério de Assuntos Civis confirma 65.080 pessoas mortas e 23.150 desaparecidas no tremor de 12 de maio

EFE

27 de maio de 2008 | 02h17

O Governo chinês pediu nesta terça-feira o envio de mais equipamentos médicos, remédios e abrigos temporários para a província de Sichuan (sudoeste), devastada pelo terremoto de 12 de maio que deixou mais de 65 mil mortos. A cúpula do Partido Comunista da China (PCCh) pediu a seus líderes e aos quadros locais todo o esforço possível para evitar surtos de doenças e prevenir seqüelas do terremoto como inundações e réplicas, informou o jornal oficial "China Daily". Segundo os últimos dados do Ministério de Assuntos Civis, 65.080 pessoas morreram, 23.150 permanecem desaparecidas, 360.058 ficaram feridas e 14,38 milhões foram deslocadas por causa do terremoto, de 8 graus de magnitude na escala Richter. Foram enviados à região 500 mil abrigos para cinco milhões de pessoas que perderam suas casas no tremor, mas Pequim assinala que ainda é preciso pelo menos mais três milhões. Pela primeira vez a China permitiu a entrada de equipes de ajuda humanitária estrangeiras para auxiliar nos trabalhos de resgate e assistência aos desabrigados, entre eles grupos procedentes de Cuba, Rússia, Japão, Coréia do Sul, Cingapura, Alemanha, França e EUA. No total, 40 países enviaram equipes de especialistas e voluntários a Sichuan, e muitos mais se encontram em caminho. Trabalham na região dezenas de milhares de médicos chineses que vieram de todas as províncias do país asiático. O terremoto gerou uma onda de solidariedade tanto dentro como fora do território chinês, que se traduziu em US$ 4,4 bilhões em doações, segundo dados do escritório de Informação do Conselho de Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequimterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.