China pede explicação por sequestro nas Filipinas

A China advertiu hoje os viajantes sobre os possíveis riscos de ir às Filipinas e exigiu explicações de Manila sobre a morte de oito turistas de Hong Kong, após o ônibus em que eles estavam ser sequestrado ontem no centro da capital filipina.

AE-AP, Agência Estado

24 de agosto de 2010 | 13h53

O chanceler chinês, Yang Jiechi, disse que seu governo estava "horrorizado" e falou por telefone com seu homólogo filipino, Alberto Rómulo, para demonstrar sua preocupação. Pessoas demonstraram sua indignação em Hong Kong e meios de comunicação no território chinês consideraram a polícia filipina incompetente.

O presidente Benigno Aquino III apresentou ao embaixador chinês nas Filipinas uma investigação preliminar do incidente, quando um policial demitido, Rolando Mendoza, armado com um fuzil, tomou o controle do ônibus que estava com 21 turistas de Hong Kong e quatro filipinos. Mendoza exigia seu retorno à polícia.

A crise se encerrou quando, após o fracasso das 12 horas de negociações, a polícia tomou de assalto o veículo e matou o sequestrador. Antes, porém, oito turistas foram mortos. O governo filipino prometeu apresentar em Pequim e Hong Kong o relatório final sobre o caso, assim que ele for concluído.

Dos 25 ocupantes do ônibus, sobreviveram 13 dos turistas de Hong Kong e quatro filipinos. Nove dos sobreviventes haviam sido libertados por Mendoza horas antes do início do tiroteio. Sete reféns foram hospitalizados, um deles em estado grave.

Aquino enfrenta sua primeira importante crise desde que assumiu o poder, em 30 de junho. Ele declarou luto oficial hoje em solidariedade ao povo de Hong Kong, informou um porta-voz presidencial.

Tudo o que sabemos sobre:
sequestroônibusFilipinasChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.