China pede que CNN se desculpe por comentário contra governo

Pequim exige retratação formal da emissora americana após comentarista criticar a China durante programação

The New York Times,

16 de abril de 2008 | 18h42

A China intensificou na terça-feira, 15, suas críticas à cobertura estrangeira da crise no Tibete ao exigir que a rede CNN se desculpe pelos comentários feitos na semana passada sobre o governo chinês.   Veja também: Irritados por críticas, chineses lotam salas de bate bapo   Jiang Yu, porta-voz do Ministro do Exterior, classificou os comentários como uma injúria contra todo o povo chinês, apesar da CNN ter dito que as críticas do comentarista Jack Cafferty refletem sua opinião pessoal e estão focadas somente ao governo.   "Nós estamos chocados e condenamos nos com veemência os comentários maldosos" de Cafferty "contra todo o povo chinês", declarou Jiang, durante um programa de notícias regular. "Nós pedimos que a CNN e Cafferty se retratem formalmente dos comentários maldosos e peçam desculpas a toda população chinesa."   A emissora divulgou uma nota dizendo que "não foi a intenção da CNN ou de Cafferty ofender o povo chinês", acrescentando que a rede "poderia se desculpar a qualquer um que interpretou os comentários desta maneira."   A rara repreensão da porta-voz vem à tona entre um crescente sentimento de irritação pública contra muitos chineses, incluindo os estrangeiros, após a cobertura midiática da crise no Tibete. O governo chinês também está sendo severamente crítico, impedindo repórteres estrangeiros de visitarem regiões do Tibete para investigar os protestos.   Críticas específicas foram focadas contra a identificação errônea nas legendas de fotos, que indicavam um confronto da Polícia contra tibetanos em protestos no Nepal, como se tivessem ocorrido na China. Vários jornalistas estrangeiros foram ameaçados de morte e outros receberam centenas de e-mails irritados.   Um chinês criou um site 'anti CNN' antes da última controvérsia. A tensão aparece meses antes do início dos Jogos Olímpicos de Beijing.   Cafferty, um comentarista regular da CNN no programa The Situation Room fez suas declarações em 9 de abril, durante uma troca com o âncora, Wolf Blitzer. O tema comparava a China de hoje com a situação do país há algumas décadas.   "Eu não sei se na China há alguma diferença, mas nossa relação com o país é certamente diferente", disse o comentarista, segundo a CNN. "Nós estamos sendo criticados pelos chineses pela guerra no Iraque, por uma coisa. Eles mantém centenas de bilhões de dólares em nossos papéis. Nós também dirigimos centenas de bilhões de dólares ou déficits comerciais a eles, ao continuarmos importando lixo e ração de animal envenenada, e exportando empregos para lugares onde você pode pagar um dólar por mês para produzir aquilo que compramos no Wal-Mart."   "Então, eu acredito que nossa relação com a China certamente mudou", continuou. "Eu acho que eles são basicamente o mesmo bando de estúpidos e criminosos que foram pelos últimos 50 anos."   Cafferty explicou seus comentários na edição de segunda-feira do Situation Room dizendo que a parte do 'estúpidos e criminosos' diz respeito ao governo chinês, não a população da China.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTibeteCNNThe New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.