Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Samuel Corum/NYT
Samuel Corum/NYT

China pede que Estados Unidos paguem suas dívidas com a ONU

Comunicado do país asiático fala em dívida de US$ 2 bilhões; EUA são responsáveis por 22% do orçamento operacional anual da organização

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2020 | 17h14

PEQUIM - A China pediu aos membros da ONU nesta sexta-feira, 15, que "cumpram totalmente suas obrigações financeiras" com a organização, de acordo com um comunicado de sua missão à agência, onde destaca uma dívida de mais de US$ 2 bilhões dos Estados Unidos

"Em 14 de maio, as contribuições em dívida para o orçamento regular da ONU e ao orçamento para missões de manutenção da paz representam US$ 1,63 bilhão e US$ 2,14 bilhões, respectivamente", aponta o documento, que é baseado em um relatório recente da secretaria da ONU e uma reunião nesta quinta-feira. 

Levando em conta itens não pagos de vários anos anteriores, "os Estados Unidos são o principal devedor", com US$ 1,16 bilhões pendentes para o orçamento operacional e US$ 1,33 bilhões para financiar operações de paz, segundo o comunicado. 

Da mesma forma, os Estados Unidos são o principal contribuinte da ONU, responsável por 22% do orçamento operacional anual, que equivale a quase US$ 3 bilhões, e 25% do orçamento anual das forças de manutenção da paz, que custam cerca de US$ 6 bilhões por ano. 

Em teoria, os Estados Unidos deveriam pagar 27,89% do orçamento de paz, mas, por decisão do Congresso que o governo Donald Trump aplica desde 2017, o país apenas contribui com 25%, acumulando a cada ano uma dívida equivalente a cerca de 200 milhões de dólares. 

Além disso, o ano fiscal aplicado nos Estados Unidos, de outubro a outubro, faz com que a dívida desse país apareça em determinadas épocas do ano do que realmente é. 

A AFP procurou a missão dos EUA na ONU após a divulgação da declaração chinesa, mas não obteve resposta. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.