Reprodução / China News
Reprodução / China News

China põe em operação seu ‘avião invisível’

Caça J-20 foi projetado para evitar detecção por radares, feixes de laser e ondas sônica

Roberto Godoy, O Estado de S. Paulo

20 de março de 2017 | 05h00

A aviação de combate da China colocou formalmente em serviço há dois dias o seu primeiro caça de quinta geração, o J-20 Águia Negra – a produção regular do supersônico de tecnologia avançada começou há 14 meses no complexo industrial de Chengdu. O comunicado lido pelo porta voz da Força Aérea do Exército de Libertação do Povo limitou-se a informar a entrada em operação do novo jato. 

O número de aeronaves entregues, e a base a partir da qual vão atuar, não foram revelados. O principal emprego do J-20 é no trabalho de garantia do domínio completo do poderio aéreo. Ele também seria usado no bombardeio a longa distância contra porta-aviões. Os serviços de inteligência do Japão e dos EUA na Ásia relataram, em novembro de 2016, a possibilidade de haver uma segunda versão, dedicada a ações especializadas de ataque ao solo, conhecida como Dragão Poderoso.

Não é o único programa de Pequim na linha de caças furtivos, os ‘stealth’, de baixa visibilidade aos radares. O presidente Xi Jinping autorizou há duas semanas a fase de pré-série do modelo J-31 Falcão, destinado a missões táticas e adequado ao mercado internacional. A fabricação, pelo grupo Shenyang, está prevista para o primeiro semestre de 2018.

O impressionante Águia começou a sair das telas dos computadores dos engenheiros em 2011. É definido como invisível aos sistemas de localização eletrônica conhecidos – radar, feixe de laser e onda sônica. Estaria muito próximo do F-22 Raptor americano, de acordo com o relatório da Fundação Jamestown, que analisa o balanço das relações militares dos EUA com outras potências.

Há seis anos, quando fez o primeiro voo, especialistas ocidentais estimaram que poderia atingir 3 mil km/hora. Atualmente, o fabricante limita esse desempenho a 2,2 mil km/hora, embora garanta que seja capaz de manter o regime acima da velocidade do som por longos períodos.

A aeronave usa um revestimento que ajuda a absorver os sinais de detecção das estações antiaéreas. Os sistemas de armas, cerca de sete toneladas de mísseis e bombas inteligentes e um canhão de 23 mm, instalados em câmaras internas que se abrem só para o lançamento, reduzem a marca eletrônica nas telas do inimigo. O J-20 precisa resolver apenas um problema. A China não faz os motores do avião e usa turbinas russas AL-31F.

Ficha Técnica: J-20

Tripulação: 1 piloto

Comprimento: 20.4 metros

Altura: 4.45 metros

Peso máximo: 32 toneladas

Velocidade: 2,2 mil km/hora

Armamento: Canhão,Mísseis e bombas 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacaça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.