China prende dois mil seguidores de seita

A China deteve cerca de 2 mil seguidores da seita religiosa Falun Gong e enviou 150 deles a campos de trabalho, depois que eles invadiram uma estação de tevê na cidade de Changchun, em março, para divulgar um vídeo de protesto, informou nesta quinta-feira um grupo de direitos humanos de Hong Kong.Nove dos seguidores devem ser julgados no próximo mês, segundo o Centro de Direitos Humanos e Democracia. A polícia chinesa reforçou a segurança na Praça Tiananmen, no centro de Pequim, por causa do 3º aniversário de uma gigantesca manifestação da Falun Gong que levou o governo a proscrever a seita. Nenhum incidente foi registrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.