China pretende reduzir aplicação de pena de morte

A China pretende reduzir o número de sentenças por pena de morte no país por conta de casos polêmicos e tortura, mas não irá abolir definitivamente a lei, disse uma fonte do governo chinês nesta segunda-feira, 12.Em um comunicado, a Suprema Corte do Povo, o Ministério de Segurança Pública e o Ministério da Justiça disseram que prisioneiros condenados não poderão andar pelas ruas e suspeitos não serão torturados A China é o país que mais aplica a pena de morte. Em 2005, os chineses executaram pelo menos 1.770 pessoas, cerca de 80% do total mundial.Este número, no entanto, é ainda maior em comunicados de diversos países. Um estudo realizado em Londres aponta que a China condena por pena de morte cerca de 10 mi pessoas por ano."Nosso país ainda não pode abolir a lei da pena de morte, mas precisa reduzir gradualmente sua aplicação", disse o comunicado. "Mas ainda há a possiblidade da pessoa não ser executada."Além de crimes como assassinato, estupro e tráfico de drogas, a pena de morte também havia sido imposta para casos como sonegação de impostos e corrupção.Um dos motivos da China reduzir a aplicação da pena de morte são os diversos casos envolvendo muita polêmica e tortura. Algumas leis aprovadas em 2006 dizem que a sentença deve passar por votação na Suprema Corte do Povo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.