China procura conter manifestações nacionalistas

A China procurou no domingo conter umaexplosão de sentimento nacionalista desencadeada pelasmanifestações de protesto que acompanharam o percurso da tochaolímpica no mundo. A mídia estatal exortou a população acanalizar seu patriotismo para expressões "racionais". Mas as manifestações contrárias à independência tibetana eà cobertura feita pela imprensa ocidental dos distúrbiosrecentes no Tibete continuaram em várias cidades, informou aagência de notícias oficial Xinhua. Mais de mil estudantes e outras pessoas em Xi'an, naprovíncia de Shaanxi, ergueram faixas em frente a umsupermercado da rede francesa Carrefour, criticando osprotestos anti-China feitos durante a passagem da tochaolímpica por Paris. "Com alto-falantes, gritaram 'apoio às Olimpíadas', 'Vai,China!' e 'Condenem a CNN"', disse a Xinhua. A emissora francesa CNN vem sendo criticada na China porobservações feitas por um de seus comentaristas na semanapassada, tornando-se símbolo da frustração chinesa com o queseria a cobertura enviesada feita pela mídia ocidental dostumultos recentes no Tibete. No domingo, os protestos chegaram às cidades de Harbin eDalian, no nordeste da China, e também a Jinan, capital daprovíncia de Shandong, no leste, disse a Xinhua. Manifestaçõessemelhantes tinham ocorrido no sábado, acompanhadas porchamados pelo boicote de produtos franceses. No domingo, num sinal de preocupação com as manifestaçõesde fervor nacionalista, a imprensa estatal chinesa lançouchamados por calma. O Diário do Povo, porta-voz do governista PartidoComunista, publicou um comentário intitulado "Como pode opatriotismo ser mais poderoso?", dizendo que a população tem odever de expressar seu amor por seu país "de modo calmo erazoável". O comentário, mencionado mais tarde numa transmissão da TVnacional, disse que as pessoas devem concentrar-se em fomentara força nacional geral e enfrentar os problemas com calma. "Que o mundo veja que a China de hoje se desenvolve passo apasso e que nada poderá perturbar esse processo", disse. A China vê as Olimpíadas como oportunidade de mostrar aomundo uma imagem positiva do país. As perturbações que acompanharam a passagem da tochaolímpica por Londres, Paris, San Francisco e Nova Délhidesencadearam manifestações de frustração e revolta entre oschineses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.