China proíbe anúncios de presentes de luxo

Nova medida faz parte de campanha de austeridade do governo chinês, que promete combater desigualdade.

BBC Brasil, BBC

07 de fevereiro de 2013 | 14h54

O governo da China anunciou nesta terça-feira a proibição de anúncios de rádio e TV que incentivem a compra de artigos e presentes de luxo.

A nova medida faz parte de uma campanha de austeridade do governo chinês, que promete combater a desigualdade.

Segundo informações da agência estatal de notícias, Xinhua, o governo justifica a medida ao afirmar que esse tipo de propaganda promove valores incorretos.

Entre os artigos afetados estão relógios caros, moedas de ouro e bebidas alcoólicas.

O ato de presentear, geralmente para obter favores de autoridades, é comum durante o Ano Novo chinês, que começa na próxima semana.

Mas segundo a agência chinesa que fiscaliza rádio, TV e indústria cinematográfica no país, os anúncios em alguns canais têm incentivado as pessoas a presentearem itens de luxo.

Desigualdade

O novo líder do Partido Comunista chinês, Xi Jinping, já ressaltou repetidas vezes a necessidade de combater a corrupção e proibiu demonstrações de extravagância dentro do partido e do Exército.

A crescente desigualdade no país é um tema politicamente sensível, e o Partido Comunista chinês teme que possa ameaçar a estabilidade política da segunda maior economia do mundo.

Enquanto muitos chineses enriqueceram nos últimos anos, e uma enorme nova classe média está se formando no país, a lacuna entre os mais ricos e o resto da população é grande e continua crescendo.

O Conselho de Estado da China emitiu novas diretrizes que afirmam que são necessárias reformas para tornar a distribuição de renda mais justa.

O plano inclui aumentar o salário mínimo para 40% da média salarial urbana até 2015.

O governo quer tirar 80 milhões de pessoas da pobreza nos próximos três anos e dobrar a renda dos chineses até 2020.

As gigantes indústrias estatais da China poderão ter de destinar lucros para financiar melhores serviços de saúde, educação e moradia barata.

Ceticismo

A elaboração das novas diretrizes para melhorar a distribuição de renda levou dois anos.

Apesar dos anúncios, alguns observadores permanecem céticos e dizem que o plano contém aspirações mas poucas receitas políticas.

Acredita-se que muitos devem se opor a novos impostos sobre propriedade e herança e a reformas no setor financeiro e no rígido sistema nacional de permissão de residência, que limita as possibilidades de que moradores de zonas rurais migrem para as grandes cidades.

As próprias diretrizes afirmam que a tarefa de tornar a China um lugar mais justo será árdua e complicada, e não será concluída na noite para o dia. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.