China propõe diálogo ´aberto e igual´ a Taiwan

O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, ofereceu nesta terça-feira ao governo de Taiwan um diálogo aberto e "em pé de igualdade" para solucionar as divergências entre ambos. "Ambos os lados pertencem à mesma China. Devemos manter consultas e negociações em pé de igualdade. Não existe a possibilidade de uma parte absorver a outra", declarou Wen em entrevista coletiva após reunião da Assembléia Nacional Popular (ANP, Poder Legislativo). O primeiro-ministro reiterou que "a China está disposta a dialogar" com qualquer um que se comprometa com o princípio de "uma única China". O país está "preparado para dar passos positivos" e manter um diálogo inclusive com o Partido Democrático Progressista, do presidente Chen Shui-bian, se este abandonar seus propósitos separatistas, acrescentou. Wen assinalou, no entanto, que a China "se manterá em estado de alerta" frente aos esforços do "líder das autoridades taiwanesas" para avançar em seu projeto de independência, depois de Chen ter eliminado o Conselho Nacional de Unificação. A medida "minou seriamente a paz e a estabilidade na região", afirmou Wen, que disse ainda que a China "está preparada para qualquer eventualidade". O primeiro-ministro acrescentou que os ideais separatistas de Chen prejudicam os próprios cidadãos de Taiwan, e que, "no final, custarão o apoio público" de seus compatriotas. "Nunca abandonaremos nossos esforços rumo a uma reunificação pacífica. Mas de nenhuma maneira permitiremos que Taiwan se separe da mãe pátria", concluiu.

Agencia Estado,

14 Março 2006 | 02h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.