China protesta contra visita do Dalai Lama à Mongólia

A China disse nesta terça-feira que apresentou um protesto oficial contra a visita do Dalai Lama à Mongólia, um dia depois que o líder espiritual exilado do Tibete chegou ao país para uma visita espiritual. "A China é sempre contra qualquer país que dá espaço para as atividades separatistas anti-China do Dalai Lama", disse o porta-voz do Ministério do Exterior da China, Hong Lei.

Agência Estado

08 de novembro de 2011 | 11h57

Após uma visita ao Japão, o Dalai Lama chegou a Ulan Bator na segunda-feira para uma visita destinada a dar ensinamentos e religiosos e palestras a estudantes e jovens, disse o porta-voz do líder espiritual.

Em Tóquio, o líder de 76 anos atacou a China, dizendo que os tibetanos enfrentaram um "genocídio cultural" sob a linha dura chinesa, que ele culpa pela onda recente de autoimolações no sudoeste da China. Oito monges budistas e duas monjas colocaram fogo em seus próprios corpos em regiões de predominância étnica tibetana na província de Sichuan desde que a autoimolação de um jovem monge em março no monastério de Kirti desencadeou a repressão do governo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTibeteMongólia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.