China protesta por envio de peças de mísseis dos EUA a Taiwan

Washington diz que se enganou ao mandar equipamentos para a região considerada por Pequim como rebelde

Agência Estado e Associated Press,

26 de março de 2008 | 09h46

O Ministério das Relações Exteriores da China protestou nesta quarta-feira, 26, contra o fato de o Exército dos Estados Unidos ter enviado a Taiwan detonadores elétricos de mísseis balísticos intercontinentais. Qin Gang, porta-voz da chancelaria chinesa, declarou em Pequim que a China manifestou sua "imensa insatisfação" com o caso. O governo americano afirma ter enviado os detonadores por engano. A declaração foi publicada na página do Ministério das Relações Exteriores da China na internet. Qin informou que a China exigiu dos EUA uma investigação e pediu a Washington explicações detalhadas da situação, assim como a sugestão de medidas para "eliminar os efeitos negativos e as conseqüências desastrosas" do incidente. Na terça-feira, o Departamento de Defesa dos EUA (Pentágono) anunciou que enviou por engano componentes de mísseis balísticos a Taiwan. De acordo com o Pentágono, os componentes enviados a Taiwan a partir de uma base da Força Aérea americana no Estado de Wyoming serviam para mísseis comuns, e não para armas nucleares, e já foram devolvidos aos EUA. Os componentes, no entanto, costumam ser usados nos mísseis intercontinentais Minuteman III, capazes de transportar simultaneamente três bombas termonucleares. Nesta quarta, o diretor da divisão de armas do Exército de Taiwan, Wu Wei-rong, revelou que os EUA primeiro disseram aos taiwaneses que fizessem o que bem entendessem com os componentes bélicos enviados por engano, mas os pediram de volta quando perceberam que se tratava de itens sensíveis.

Tudo o que sabemos sobre:
TaiwanChinaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.