China publica Livro Branco sobre Direitos Humanos, com ênfase na internet

Governo diz que há maior liberdade de expressão e garantias judiciais

Efe,

26 de setembro de 2010 | 05h40

PEQUIM - O governo chinês publicou neste domingo, 26, uma nova edição do Livro Branco sobre Direitos Humanos, que repassa a situação destes no país em 2009 e defende a melhora em campos como a liberdade de expressão na internet ou as garantias judiciais, frente às críticas da comunidade internacional.

 

O documento, publicado integralmente através da agência oficial Xinhua, dá ênfase especial no papel da internet no país asiático, apesar das frequentes queixas que meios internacionais ou grupos pró-direitos humanos fazem sobre a censura na rede do gigante asiático.

 

Segundo o livro, "o direito dos internautas chineses a se expressar na rede foi protegido em 2009, e a internet se transformou em um novo canal para que o governo chinês conheça a opinião pública e consequentemente melhore sua gestão".

 

Acrescenta que se transformou em uma prática habitual nos governos em todos os níveis "consultar certas políticas com a cidadania através da web", enquanto se estabeleceram páginas oficiais para denunciar casos de corrupção ou negligência entre altos cargos do regime comunista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.