China quer Brasil como ponte na América Latina

Visita de Xi Jinping tem como objetivo estender relações comerciais com nações latino-americanas usando como modelo a relação com o País

LISANDRA PARAGUASSU, BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2014 | 02h03

A visita do presidente da China, Xi Jinping, ao Brasil tem objetivos ainda maiores do que ampliar a relação bilateral. Apesar de já ter grandes investimentos na América Latina, o governo chinês deixou claro que está de olho na relação com o restante da região.

O relacionamento com o País, considerado modelo pelos chineses, seria uma plataforma de lançamento para novos projetos com os vizinhos latino-americanos.

Xi pediu - e o governo brasileiro organizou - um encontro com o chamado quarteto da Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), composto pelo país que ocupa a presidência, Costa Rica, o anterior, Cuba, o próximo, Equador, e um representante das ilhas do Caribe, além do México. Diplomatas ouvidos pelo Estado revelam que os chineses querem usar a relação com o Brasil como um modelo para a região.

Até hoje, a relação da China com a América Latina tem sido a de concentrar investimentos em áreas de matéria-prima, especialmente minério, mas sem associações com empresários locais e relações políticas mais profundas. A exceção tem sido o Brasil, com quem a coordenação tem sido maior, incluindo os projetos de cooperação, e onde o país tem aumentado os investimentos em parcerias.

"As relações com o Brasil evoluíram. Primeiro, concentravam-se em uma garantia de suprimento, matérias-primas, desenvolvimento de infraestrutura. Agora, o caminho natural é o de formação de parcerias. Vamos ter um novo momento para essa relação", analisa o embaixador Sérgio Amaral, presidente do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC). A intenção chinesa, afirma Amaral, pode trazer vários benefícios para o Brasil, até a manutenção de mercados tradicionais do País na região, que poderiam ser perdidos se os chineses decidissem atuar por conta própria.

Acordos. A visita do presidente chinês é vista pelo governo brasileiro como uma das mais importantes para o País desde o início do mandato de Dilma Rousseff. Na pauta, cerca de 50 acordos que vão desde nanotecnologia até ferrovias. Durante a visita deve ser anunciada a encomenda de cerca de 40 aviões de passageiros para a Embraer, em uma solução para a crise na relação entre a empresa e o governo chinês, estremecida desde que o governo chinês não permitiu que fosse produzido no país o Embraer 190 por estar desenvolvendo um avião semelhante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.