China quer controlar exportações de tecnologia nuclear

O Conselho de Estado (Executivo) da China aprovou reforço no controle sobre a exportação de tecnologia e produtos nucleares, tanto para uso civil quanto militar, informou a agência oficial chinesa Xinhua.Um novo decreto assinado pelo primeiro-ministro Wen Jiabao impõe mais obrigações a exportadores chineses e importadores estrangeiros. O importador terá que garantir que não usará os produtos comprados na China para o processamento de combustíveis nucleares, "a não ser sob a supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica".Também é proibido transferir produtos e tecnologias em matéria nuclear a terceiros (estados ou empresas) que não tenham sido identificados num acordo prévio.Há quatro dias, a Coréia do Norte aceitou dar os primeiros passos para o desmantelamento de seu programa atômico, em troca de remessas de petróleo. A China é o principal aliado ideológico do regime de Kim Jong-il e seu maior doador de ajuda econômica. A China, que há mais de 40 anos construiu a sua primeira bomba nuclear, assinou o Tratado de Não-Proliferação, e promete que, em caso de uma guerra com outro Estado, não será a primeira a usar seu armamento atômico.No passado, observadores internacionais acusaram a China de contribuir para programas de armamento nuclear de países como o Irã, Paquistão e Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.