China quer estimular economia da Europa, diz chanceler

A vice-ministra de Relações Exteriores da China, Fu Ying, declarou neste sábado que seu país está pronto para ajudar a Europa a estimular sua economia. Em discurso durante uma conferência internacional em Viena, Ying disse que a China "quer fazer parte dos esforços para estimular a economia e aumentar as oportunidades de emprego na Europa".

AE, Agência Estado

10 de dezembro de 2011 | 16h03

A vice-chanceler chinesa observou que, desde a eclosão da crise da dívida na zona do euro, Pequim contribuiu com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e enviou 30 grupos para a Europa para prospectar negócios.

Ela salientou, porém, que a China tem seus próprios objetivos econômicos e financeiros e que mais de 100 milhões de pessoas em seu país ainda vivem com menos de US$ 1 por dia.

Ainda segundo Ying, é equivocado o conceito segundo o qual a China ou os Brics deveriam "salvar" a Europa. Ela ressaltou que os países europeus que gastaram demais e muito além do que possuíam deveriam conter o consumo para viver de acordo com seus recursos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UEcriseEuropaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.