Koichi Kamoshida/Reuters
Koichi Kamoshida/Reuters

China quer impulsionar reforma política e abertura econômica

Wen Jiabao diz que regressão e estagnação pode sufocar causa socialista do país

Efe

23 de agosto de 2010 | 03h31

PEQUIM - O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, convidou a impulsionar a reforma política e a abertura econômica iniciada há mais de 30 anos e rejeitou a regressão e a estagnação, informou nesta segunda-feira o jornal oficial China Daily.

"A regressão e a estagnação não só acabará com as conquistas da reforma econômica de abertura que começou há mais de 30 anos e com a oportunidade de desenvolvimento, mas também sufocará a causa socialista da China", disse Wen durante sua visita à primeira zona econômica especial da China, Shenzhen.

No final da década de 70, o líder máximo da China, Deng Xiaoping, impulsionou uma política econômica de reforma e abertura considerada como um processo de desenvolvimento e modernização do país, atual segunda potência econômica mundial.

O primeiro-ministro acrescentou que a China não só deve avançar mediante a reforma e a abertura econômica, mas também com a reestruturação política. "Os direitos democráticos e legítimos das pessoas devem estar garantidos", ressaltou.

Além disso, Wen, cujo objetivo é construir uma "sociedade e um sistema judiciário justos", sugeriu que "a excessiva concentração de poder e controle ineficaz podem ser resolvidos mediante a melhora das instituições e exigiu que o povo tenha a possibilidade de criticar e supervisionar as ações do governo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.