China quer montar coleção de amostras lunares em 2017

A China pretende lançar em 2017 a próxima sonda lunar não tripulada, com o objetivo de colher amostras do satélite e trazê-las para a Terra, disse uma autoridade nesta segunda-feira, dias após o país realizar seu primeiro pouso controlado na Lua.

Reuters

16 de dezembro de 2013 | 10h53

O programa espacial é uma prioridade para os líderes chineses, e o pouso da sonda Chang'e 3, no sábado, foi considerado um marco para transformar a China em uma grande potência espacial.

A nova sonda Chang'e 5, encarregada de recolher as amostras lunares, já está em estágio bem avançado de desenvolvimento e dever ser lançada por volta de 2017, segundo Wu Zhijian, porta-voz da agência espacial chinesa.

Ele disse em entrevista coletiva que o país ainda não tem planos concretos para viagens tripuladas à Lua, e insistiu no caráter pacífico do programa espacial.

Em junho, três astronautas chineses já passaram 15 dias na órbita terrestre, período em que se atracaram a um laboratório espacial experimental. A China pretende instalar até 2020 um complexo orbital permanente.

(Reportagem de Hui Li e Ben Blanchard)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINALUA2017*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.