China reage e acusa EUA de 'hipocrisia' em direitos humanos

Relatório chinês rebate críticas americanas e diz que país usa 'critérios duplos' ao tratar do assunto.

BBC Brasil, BBC

27 de fevereiro de 2009 | 11h33

O governo da China respondeu nesta sexta-feira às críticas feitas pelos Estados Unidos em um relatório anual sobre a situação dos direitos humanos em todo o mundo divulgado na última quarta-feira.A reação chinesa veio na forma de um outro relatório: o 10ºrelatório anual da China a respeito de problemas com direitos humanos nosEstados Unidos. "A prática dos Estados Unidos de atirar pedras em outros enquanto viveem uma casa de vidro é testemunho dos critérios duplos e da hipocrisiados Estados Unidos para lidar com direitos humanos, o que prejudica suaimagem internacional", afirma o documento chinês.Na quarta-feira, o relatório publicado pelos Estados Unidos dizia que o respeito aos direitos humanos na China piorou e citava como exemplo a repressão de dissidentes e minorias no Tibete."Durante anos, os Estados Unidos se posicionaram a respeito de outrospaíses e divulgaram o Relatório Anual de Práticas de Direitos Humanospara criticar as condições dos direitos humanos em outros países,usando isso como uma ferramenta para interferir e denegrir outrospaíses", diz texto publicado nesta sexta pela agência de notícias estatal chinesa Xinhua.O relatório do Escritório de Informações do Conselho de Estado chinês afirma que "crimes violentos frequentes nos Estados Unidos são uma ameaça grave para a vida, a propriedade e a segurança pessoal de seu povo".O documento chinês acrescenta que os direitos econômicos, sociais e culturais do povo americano não são protegidos "de forma adequada", diz que muitos jovens americanos tem "problemas de personalidade" e afirma que a discriminação racial "prevalece em todos os aspectos da vida social"."Aconselhamos o governo dos Estados Unidos a começar de novo, enfrentar seus próprios problemas de direitos humanos com coragem, e parar com a prática errada de aplicar critérios duplos em questões de direitos humanos", conclui o relatório chinês.O documento publicado pela China avalia a situação dos direitos humanos nos Estados Unidos em seis aspectos: vida e segurança pessoal, direitos civis e políticos, direitos econômicos, sociais e culturais, discriminação racial, direitos das mulheres e crianças e a violação dos direitos humanos pelos Estados Unidos em outros países.Citando dados do FBI e do Centro de Controle de Doenças e Prevenção dos Estados Unidos, o relatório chinês afirma que, com frequência, mortes provocadas por armas são uma ameaça grave às vidas dos cidadãos americanos.O relatório também comenta a situação econômica do país, incluindo o aumento do número de pessoas sem teto, e - citando dados oficiais do governo americano, diz que 12,5% dos americanos, ou 37,3 milhões de pessoas, viviam na pobreza em 2007.Ainda no trecho que trata da economia americana, o relatório lembra que a taxa de desemprego nos Estados Unidos aumentou de 4,6% em 2007 para 5,8% em 2008.Segundo o correspondente da BBC em Pequim, James Reynolds, o relatório chinês sobre os Estados Unidos e o relatório americano sobre a China fazem parte de uma troca anual bem comum entre os dois países.De acordo com Reynolds, as novas críticas revelam uma prática que já se tornou costumeira e parece ter pouco impacto prático nas relações entre China e Estados Unidos.No final da semana passada, a secretária de Estado americana Hillary Clinton esteve em Pequim para reunião com todos os líderes da China e as denúncias de violação dos direitos humanos foram pouco mencionadas - pelo menos em público.Os Estados Unidos e a China também iniciaram uma reunião de dois dias sobre questões militares em Pequim, e os dois países ainda contam um com o outro para enfrentar a atual crise econômica mundial.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.