China reconhece que policiais atiraram em quatro tibetanos

É a primeira vez que o governo reconheceu ter atirado em manifestantes desde o início dos tumultos

Agência Estado e Associated Press,

20 de março de 2008 | 13h23

A agência estatal chinesa Xinhua divulgou, nesta quinta-feira, 20, que a polícia atirou e feriu quatro manifestantes "em legítima defesa", durante confrontos ocorridos na província de Sichuan, no domingo, 16. É a primeira vez que o governo reconheceu ter atirado em manifestantes desde o início dos tumultos, quase uma semana atrás, em Lhasa, capital da província do Tibete.  Veja também:China admite que protestos se espalharam para fora do TibetePapa pede diálogo e tolerância para a crise China diz que enfrenta 'luta de vida ou morte' Protestos se espalham na ChinaEntenda os protestos no Tibete Segundo a Xinhua, os tiros disparados pelos policiais ocorreram no domingo, no condado de Aba, localizado na província de Sichuan. A agência não forneceu maiores informações. Anteriormente, o órgão estatal havia apenas relatado que os manifestantes haviam atacado lojas e escritórios do governo durante os conflitos. Segundo membros do governo do Tibete no exílio, houve 80 mortes desde que a violência no Tibete começou, em 10 de março, aniversário de um levante fracassado, ocorrido em 1959. Pequim fala em 16 mortos. O dalai-lama diz buscar apenas mais autonomia para a província, mas Pequim acusa o governo tibetano no exílio na Índia de se movimentar para alcançar a independência da China.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTibeteprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.