China reconhece rebeldes como governantes da Líbia

Chancelaria diz que respeita escolha do povo líbio e queespera que acordos permaneçam em vigor

AE, Agência Estado

12 Setembro 2011 | 12h14

PEQUIM - O governo da China reconheceu formalmente nesta segunda-feira, 12, o Conselho Nacional de Transição (CNT) como o representante legal do povo líbio após a queda de Muamar Kadafi, informou a agência estatal de notícias Xinhua.

 

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

Pequim "oficialmente reconheceu o CNT da Líbia como a autoridade governante e representante do povo líbio", informou o serviço em inglês da agência.

 

Um comunicado do Ministério de Relações Exteriores, divulgado na noite desta segunda-feira, diz que a China respeita a escolha do povo líbio e que o país espera que todos os tratados e acordos assinados permaneçam em vigor.

A China é o último integrante do Conselho de Segurança Nacional da Organização das Nações Unidas (ONU) a reconhecer o CNT. Pequim havia criticado anteriormente a campanha aérea liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra as forças de Kadafi e se recusava a condenar o ditador.

A China é uma grande investidora na Líbia, onde 26 companhias chinesas têm negócios estimados em US$ 20 bilhões.

 

As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
China Líbia rebeldes reconhecimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.