China reelege dirigentes, mas vice-presidente perde o cargo

Especula-se que haverá quatro novos membros entre os nove do novo Comitê Permanente do Partido Comunista

Efe,

21 de outubro de 2007 | 08h53

O 17º congresso qüinqüenal do Partido Comunista da China (PCC) foi encerrado neste domingo, 21, com a reeleição dos principais dirigentes de seu Comitê Central, o principal órgão de decisão do partido, e a saída do vice-presidente Zeng Qinghong.  Veja TambémEspecial: Partido Comunista chinês se reúne O presidente chinês e secretário-geral do PCC, Hu Jintao, foi reeleito junto com Wu Bangguo, presidente do Comitê Permanente da Assembléia Popular, assim como Wen Jiabao, primeiro-ministro, Jian Qinglin, presidente da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), e Li Changchun, membro do Comitê Permanente do Politburo e "número oito" na hierarquia. Segundo a agência chinesa Xinhua, além do vice-presidente Zeng Qinghong, não continuam Wu Guanzheng, até então secretário da comissão de disciplina, e Luo Gan, secretário de assuntos políticos e legais. Do anúncio oficial, deduz-se que haverá pelo menos quatro novos membros (o quarto a ser substituído, Huang Ju, morreu em junho) entre os nove do novo Comitê Permanente do birô político do Comitê Central. Como é tradição, o novo comitê central eleito neste domingo (204 membros permanentes e 167 suplentes) se reunirá na segunda-feira em sua primeira sessão plenária para escolher seu secretário-geral, titulares e suplentes do birô político e os membros do comitê permanente. O secretário-geral do PCC, atualmente Hu Jintao, deverá ser eleito entre os membros do comitê permanente do birô político. Segundo a Xinhua, delegados presentes neste domingo no encerramento do congresso do partido que governa a China há 58 anos destacaram que os novos membros que entrarão na direção darão nova vitalidade à política de reforma e abertura e à construção de uma sociedade moderadamente próspera. O congresso aprovou também neste domingo a incorporação na constituição do partido a teoria de "desenvolvimento científico sustentável" de Hu Jintao e a escolha dos 371 membros do comitê central e dos 127 da comissão de disciplina.  'Vitalidade à política' Segundo a Xinhua, os mais de 2.200 delegados presentes no encerramento do congresso do partido que governa a China há 58 anos destacaram que os novos membros que entrarão na direção darão nova vitalidade à política de reforma e abertura e à construção de uma sociedade moderadamente próspera. Também foi anunciada na reunião a aposentadoria da vice-primeira-ministra Wu Yi, 68, única mulher no topo da liderança chinesa. Na década de 1990, ela comandou as negociações para a entrada da China na Organização Mundial do Comércio (OMC).  Na reunião, o congresso aprovou a incorporação na constituição do partido a teoria de "desenvolvimento científico sustentável" de Hu Jintao. Em discurso, Hu disse que "precisamos liderar o povo na compreensão e no aproveitamento deste importante período de oportunidades estratégicas". A escolha dos 371 membros do comitê central e dos 127 da comissão de disciplina foi outra questão decidida neste domingo. Texto atualizado às 17h20

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaPartido Comunista Chinês

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.