China reforça segurança para impedir protestos no Tibete

Um funcionário graduado do governo chinês no Tibete ordenou um reforço da segurança nos mosteiros budistas e também nas principais rodovias, medidas vistas como tentativas do governo em evitar que se repitam no Tibete protestos que ocorrem nas províncias chinesas vizinhas. Ao inspecionar a capital tibetana de Lhasa nesta semana, o secretário do Partido Comunista na cidade, Qi Zhala, alertou os funcionários e clérigos dos mosteiros que eles serão demitidos se qualquer problema surgir. A polícia chinesa na região também foi alertada contra possíveis atos de sabotagem nas rodovias.

AE, Agência Estado

31 de janeiro de 2012 | 16h24

Os funcionários locais "precisam reconhecer profundamente o importante significado de preservar a estabilidade nos templos e mosteiros", disse o jornal estatal Tibet Daily|>, ao citar Qi. "Se esforcem para perceber o objetivo de ''nenhum grande incidente, nenhum incidente médio e nem mesmo um pequeno incidente''", afirmou.

Regiões com populações tibetanas na província vizinha de Sichuan assistiram a grandes protestos na semana passada. O governo chinês disse que "multidões violentas" atacaram a polícia e os civis. Policiais usaram a força para restaurar a ordem. O governo chinês afirmou que vários policiais foram feridos, enquanto ativistas disseram que pelo menos dois manifestantes foram mortos na semana passada.

Uma missão crucial para o governo chinês é impedir que os protestos se espalhem de Sichuan para o Tibete, especialmente para a capital Lhasa. Em 2008, violentos motins dos tibetanos em Lhasa deixaram pelo menos 22 pessoas mortas.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.