via NYT
via NYT

China reforça suas opções nucleares com novos silos de mísseis em um deserto

Imagens de satélite da construção podem alimentar o debate sobre a modernização nuclear americana e o futuro das negociações de controle de armas

Steven Lee Myers, The New York Times, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2021 | 20h00

Pesquisadores nos Estados Unidos identificaram a construção de 119 novos silos internacionais de mísseis balísticos em um deserto no noroeste da China, indicando que o país está realizando planos para fortalecer sua capacidade nuclear estratégica.

Os pesquisadores localizaram a construção em imagens de satélite comerciais de áreas remotas a oeste e sudoeste da cidade de Yumen, na orla do Deserto de Gobi na província de Gansu.

As imagens mostram escavações circulares, longas trincheiras para comunicações e estruturas de superfície consistentes com centros de controle e silos em outros locais de lançamento na China, de acordo com Jeffrey Lewis, especialista em programa nuclear da China do Centro James Martin para Estudos de Não Proliferação do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais em Monterey, Califórnia.

“É  um design reconhecível”, disse ele em uma entrevista por telefone ao The New York Times. “É difícil imaginar que seja outra coisa.”

A construção do silo deve alimentar o debate em Washington sobre os planos do Pentágono para modernizar o arsenal nuclear americano. Também pode estar direcionando os esforços do governo Biden, para trazer a China para negociações de controle de armas estratégicas que até agora envolveram apenas os Estados Unidos e a Rússia.

“Este acúmulo é preocupante”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, quando questionado sobre a construção, que foi noticiada anteriormente no The Washington Post.

“Encorajamos Pequim a se envolver conosco em medidas práticas para reduzir os riscos de tensões desestabilizadoras”, acrescentou.

A China se recusou a participar das negociações de controle de armas, argumentando que seu arsenal nuclear é muito menor do que o das duas maiores potências nucleares do mundo. Ao mesmo tempo, seguiu um amplo programa de modernização que levantou questões sobre suas intenções.

A China tem aproximadamente 350 ogivas nucleares, em comparação com os Estados Unidos com 5.550 e a Rússia com 6.255, de acordo com o Stockholm International Peace Research Institute, uma organização de pesquisa independente que rastreia estoques nucleares.

A estratégia de defesa mais recente da China, lançada em 2019, disse que manteria “suas capacidades nucleares no nível mínimo exigido para a segurança nacional”. Também prometeu não usar armas nucleares primeiro ou contra qualquer Estado não-nuclear. O Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente às perguntas sobre o local.

A construção do silo não é inesperada, embora a velocidade e o alcance dela tenham surpreendido os pesquisadores que os estudaram. 

Em abril, o comandante do Comando Estratégico dos Estados Unidos, almirante Charles A. Richard, sugeriu que sabia do desenvolvimento quando disse a um comitê do Congresso que a China estava “expandindo seus silos de mísseis em uma escala potencialmente grande”.

O último relatório do Pentágono sobre as forças militares da China, divulgado no ano passado, estimou que os chineses mantêm "um estoque operacional de ogivas nucleares na casa dos 200", incluindo cerca de 100 mísseis balísticos intercontinentais. O relatório afirma que a China pretende fortalecer sua “tríade nuclear” de armas estratégicas que lhe permitiriam lançar armas nucleares por terra, mar e ar.

“Esses acontecimentos e a falta de transparência da China aumentam as preocupações de que o país não está apenas mudando seus requisitos para o que constitui um impedimento mínimo de construção de armas nucleares, mas que pode mudar de sua postura de força mínima de longa data”, disse o relatório do Pentágono.

Os pesquisadores em Monterey dizem que a China começou a construir no local no ano passado, não muito depois de seu mais novo míssil balístico internacional, o DF-41, ter sido lançado no desfile militar de 2019 em Pequim, comemorando o 70º aniversário da fundação da República Popular da China.

Embora o DF-41 seja projetado para lançadores móveis, o Pentágono relatou que a China pretendia basear alguns deles em silos subterrâneos. O trabalho no local foi acelerado em fevereiro, disse Lewis.

Ainda em fevereiro, a Federação de Cientistas Americanos relatou a expansão de silos em um local de treinamento militar perto de Jilantai, a cerca de 900 quilômetros a leste da Mongólia.

O design do silo não significa necessariamente que a China pretende implementar outros 100 mísseis lá. Em vez disso, poderia refletir uma estratégia que os Estados Unidos seguiram na década de 1970, na qual um número menor de mísseis é movido entre uma rede maior de silos, tornando mais difícil para um adversário destruí-los em um primeiro ataque.

“É obviamente um aumento potencialmente muito significativo”, disse Lewis, “e acho que isso terá uma grande influência nos debates sobre a substituição dos mísseis balísticos intercontinentais dos EUA e a defesa antimísseis e outros programas”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.