China rejeita acusações de roubo de dados dos Estados Unidos

Apontar agressores sem investigação é 'irresponsável e antiprofissional', afirma chancelaria

Reuters

04 de novembro de 2011 | 09h49

PEQUIM - A China qualificou nesta sexta-feira, 4, como "irresponsável" uma acusação americana de que o governo chinês estaria usando a espionagem digital para roubar lucrativos segredos comerciais e tecnológicos dos Estados Unidos.

Um relatório de inteligência do Escritório do Executivo Nacional de Contra-Inteligência do governo americano, enviado na quinta-feira ao Congresso, acusou a China e a Rússia de cometerem espionagem, e disse que isso pode custar milhões de dólares.

Mas Hong Lei, porta-voz da chancelaria chinesa, rejeitou a acusação e reiterou a disposição de Pequim em cooperar. "Os ataques online são notáveis por ultrapassarem as fronteiras nacionais e serem anônimos. Identificar os agressores sem realizar uma investigação abrangente e fazer inferências sobre os agressores é ao mesmo tempo antiprofissional e irresponsável", afirmou. "Espero que a comunidade internacional possa abandonar o preconceito e se empenhar com a China para manter a segurança online", acrescentou Hong.

O relatório dos EUA admitia a dificuldade em determinar exatamente quem comete os ataques digitais. Empresas norte-americanas têm relatado invasões em suas redes oriundas da China, mas a inteligência dos EUA não foi capaz de confirmar isso.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaEUAespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.