China remove mais 10 mil pessoas de área de risco

Ao todo, mais de 250 mil já foram retirados das imediações do lago Tangjiashan, que se formou após o terremoto

Efe,

05 de junho de 2008 | 14h19

Mais de dez mil pessoas tiveram foram removidas nesta quinta-feira, 5, das imediações do lago Tangjiashan, na China, que se formou no mês passado depois que o terremoto de Wenchuan bloqueasse a corrente de um rio. Segundo o site estatal China Daily, o número de pessoas que já foram tiradas do local já passa de 250 mil, enquanto especialistas continuam esperando o momento adequado para iniciar a drenagem do lago que ameaça mais de 1,3 milhão de pessoas que vivem nas proximidades.   Veja também: China facilitará adoção de órfãos, diz jornal Enterro de vítimas em valas gera protestos Mapa da destruição na China  Entenda como acontecem os terremotos  Especial: antes de depois da tragédia    A preocupação pela situação do lago levou o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, a visitar mais uma vez nesta quinta a zona afetada pelo terremoto e sobrevoar em um helicóptero o lago. Para Wen, a massa de água se encontra em um momento "crítico" e enfatizou que o mais importante é assegurar que não cause vítimas.   Embora estivesse previsto que nesta quinta se iniciasse a drenagem, alguns deslizamentos de terra em zonas próximas, e chuvas mais fortes que o esperado, adiaram mais uma vez as operações.   Segundo o governo chinês, o terremoto de 12 de maio causou 69.127 mortos e deixou 17.918 desaparecidos. Mais de 45 milhões de pessoas foram afetadas pelo terremoto, o pior que atingiu a China desde 1976, quando um tremor causou a morte de mais de 240 mil pessoas em Tangshan, no norte do país.

Mais conteúdo sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.