China repudia apoio dos EUA ao Japão em disputa

A China definiu o tratado de segurança entre Japão e Estados Unidos como "um produto da Guerra Fria", depois de Washington ter reafirmado seu compromisso com Tóquio na disputa com Pequim sobre um grupo de ilhas chamado de Senkaku pelos japoneses e Diaoyu pelos chineses.

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2012 | 14h21

Os EUA afirmaram que, apesar de não "tomarem posições" na disputa pela soberania do território, "reconhecem a administração do Japão sobre as ilhas Senkaku", acrescentando que "ações unilaterais de uma terceira parte" não afetariam sua posição.

"A China expressa séria preocupação e firme oposição à ação tomada pelos EUA", disse o ministro de Relações Exteriores chinês, Hong Lei, a repórteres. "As ilhas Diaoyu têm sido território chinês inerente desde os tempos antigos. A China tem soberania indiscutível sobre elas."

Segundo ele, a decisão dos EUA viola as repetidas promessas de não escolher lados na disputa. "O tratado de segurança entre EUA e Japão é um produto da Guerra Fria e não deve ir além do escopo bilateral ou enfraquecer os interesses de um terceiro partido", disse. "Esperamos que os EUA tenham em mente os interesses mais amplos de paz e estabilidade na região, que honrem suas palavras com ações e que se retenham se mandar sinais contraditórios."

A disputa pelas ilhas tem sido fonte de tensões há décadas, e aumentaram após o governo japonês confirmar um acordo de 2,05 bilhões de ienes para comprar três das ilhas em disputa, em setembro. Ambos os lados têm-se recusado publicamente a retirarem suas reivindicações às ilhas controladas pelo Japão. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
ChinaJapãoilhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.