China rouba "aliado" de Taiwan ao restabelecer laços com o Chade

Os ministros de Assuntos Exteriores da China, Li Zhaoxing, e do Chade, Ahmad Allammi, assinaram na noite deste domingo em Pequim o restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países.Com este restabelecimento entre a China e o país africano, Taiwan anunciou a ruptura de laços com o Governo chadiano. O acordo diplomático é uma nova vitória da China em sua queda-de-braço com Taiwan, conseguindo reduzir de 25 para 24 o número de países que reconhecem o Governo taiuanês como legítimo.A assinatura, como em casos anteriores, aconteceu quase em segredo, já que a visita do chanceler do Chade à China não tinha sido anunciada oficialmente (Pequim costuma rodear de segredos seus acordos com países aliados a Taiwan).O acordo estabelece o início das relações "seguindo os interesses e aspirações dos dois países", e entrou em vigor no momento da assinatura, o que fez com que Taiwan anunciasse pouco depois a ruptura de laços diplomáticos com o Chade.O Chade, por outro lado, reconhece através do acordo que "só existe uma China no mundo e o Governo da República Popular é o único legítimo, sendo Taiwan uma parte inalienável do território".O país africano estabeleceu relações diplomáticas com Pequim em 1972, mas as rompeu em 1997, passando a reconhecer o Governo de Taiwan durante quase uma década.A nova vitória da China poderá afetar economicamente Taiwan, já que o Chade é um importante fornecedor de petróleo à ilha. O primeiro vice-presidente da Associação de Indústria e Comércio da China, Hu De-ping, filho do ex-secretário-geral do Partido Comunista Chinês Hu Yao-bang, agendou uma visita à África que inclui o Chade, com o claro objetivo de assegurar a provisão de petróleo para seu país.Na disputa diplomática entre os dois países, Taiwan conseguiu, em maio, se aproximar da Líbia, quando o país africano permitiu uma visita do presidente taiuanês, Chen Shui-bian. Na ocasião, a China lançou fortes protestos oficiais perante o Governo líbio.Com o acordo assinado no domingo, a China passa a ter 169 países soberanos que reconhecem Pequim e não Taiwan. Esse número é quase o inverso do quadro de relações diplomáticas há aproximadamente 40 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.