China, Rússia e Índia mantêm oposição a sanções contra Mianmar

Para eles, pressão sobre a Junta Militar birmanesa apenas "agravarão a situação e gerarão uma nova crise"

Efe,

25 de outubro de 2007 | 06h46

Os ministros de Relações Exteriores da China, Rússia e a Índia reafirmaram a sua oposição à aplicação de sanções contra o regime militar de Mianmar em represália contra a violenta repressão aos protestos dos monges budistas. Segundo informa nesta quinta-feira o jornal oficial China Daily, os ministros Yang Jiechi, Serguei Lavrov e Pranab Mukherjee, se reuniram na quarta-feira na cidade de Harbin, na província de Heilongjiang, no nordeste da China. Os três pediram um diálogo com Mianmar para resolver o conflito. As sanções, ameaças e outras formas de pressão sobre a Junta Militar birmanesa apenas "agravarão a situação e gerarão uma nova crise", alertou Lavrov. China e Rússia, membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, estão entre os poucos aliados políticos do regime birmanês. Os dois países têm bloqueado qualquer tipo de sanção. "As iniciativas do enviado especial da ONU para Mianmar, Ibrahim Gambari, devem ser apoiadas, mas sem qualquer sanção nesta fase", disse Mukherjee aos jornalistas. No entanto, os três ministros pediram que a Junta Militar se comprometa a um diálogo com as Nações Unidas. Gambari foi ontem a Pequim, onde se reuniu com o ministro de Relações Exteriores adjunto, He Yafei. Ele obteve o compromisso da China de apoiar a ONU como mediadora na crise birmanesa. Lavrov aproveitou o encontro para acalmar os países que temem uma cooperação militar entre os três gigantes asiáticos. Ele disse que seu país "não tem nenhuma intenção de formar uma aliança militar com China e Índia contra dos planos de defesa balísticos dos Estados Unidos". Os três ministros assinaram na quarta-feira um documento conjunto no qual reafirmaram o compromisso de seus Governos contra o terrorismo. O texto aborda ainda a cooperação no setor agrícola, na prevenção de desastres naturais, na saúde e nos intercâmbios empresariais.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmarprotestomonges

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.