China substitui chefe linha-dura do Partido Comunista no Tibete

A China anunciou nesta quinta-feira que substituiu sua principal autoridade no Tibete, região himalaia que passou por períodos de agitação social. Em seu lugar será nomeado um político pouco conhecido, que nunca trabalhou em áreas com minorias.

BEN BLANCHARD, REUTERS

25 de agosto de 2011 | 12h08

Chen Quanguo, de 55 anos, chefe do Partido Comunista da província de Hebei, no norte, assumirá o lugar do líder do PC no Tibete, Zhang Qingli, de acordo com a agência estatal de notícias Xinhua, em breve comunicado.

A Xinhua informou apenas que Zhang, no cargo desde 2005, iria assumir outra posição, sem especificar onde.

Chen vai administrar uma vasta região montanhosa que passou ao controle chinês após ser ocupada pelo Exército comunista em 1950 e, depois disso, vem sendo governada com mão de ferro.

Depois que pelo menos 19 pessoas morreram em distúrbios em várias regiões do Tibete em 2008, o governo central impôs rígida segurança na chamada Região Autônoma Tibetana.

Grupos de defesa dos direitos humanos e tibetanos exilados acusam a China de desrespeitar a cultura e religião própria do Tibete e de subjugar seu povo. Já o governo chinês diz que sua administração levou desenvolvimento a uma região pobre e atrasada.

Zhang impôs com rigor as políticas repressivas do Estado durante os protestos de 2008 contra o controle chinês na região e lançou insultos contra o líder espiritual do Tibete, o Dalai Lama, que vive exilado na Índia.

Robbie Barnett, especialista em Tibete na Universidade Columbia, nos Estados Unidos, comentou que em qualquer outra parte da China um líder de região onde ocorresse tal tipo de distúrbios não teria durado tanto no poder como Zhang.

"Tenho a impressão de que a remoção de Zhang foi retardada por vários anos na esperança de minimizar qualquer impressão do público de que isso representa um reconhecimento do partido de que os protestos de 2008 foram amplamente provocados pelas políticas que ele foi encarregado de impor", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINATIBETEPC*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.