China suspende exportação de brinquedo tóxico

Brinquedo conteria substância que, em contato com água, transforma-se outra que pode levar à morte

EFE

10 de novembro de 2007 | 03h13

As autoridades chinesas suspenderam a exportação dos brinquedos "Aqua Dots" e "Bindeez", que contêm uma substância que ao entrar em contato com a água provoca alucinações e violência, informou a agência oficial "Xinhua". A Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena da China (AQSIQ) suspendeu sua exportação após a retirada nos Estados Unidos e Austrália de 4,2 milhões destes brinquedos. A decisão de retirar esses brinquedos das prateleiras foi tomada depois que seis crianças foram internadas por ingerir uma substância tóxica contida em bolinhas incluídas no jogo. A Comissão de Segurança de Produtos de Consumo dos EUA exigiu na quinta-feira a retirada do brinquedo por sua possível periculosidade ao detectar que o "Bindeez" continha uma substância que, em contato com água, transforma-se em outra similar ao GHB (ácido gama-hidroxibutírico), conhecida como "ecstasy líquido". Essa substância produz problemas respiratórios, confusão mental e pode levar à morte. O "Bindeez" começou a ser recolhido, nesta sexta-feira, das lojas de todo o país, seguindo determinação do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial). O Procon de São Paulo deu prazo de 48 horas à empresa importadora Long Jump, distribuidora do "Bindeez" no Brasil, para fornecer informações sobre o brinquedo e sobre as medidas que vai pôr em prática para garantir a segurança dos consumidores. Em comunicado, a Long Jump afirmou que os lotes do brinquedo vendidos no Brasil são diferentes dos comercializados na Austrália, no Canadá e nos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
BindeezAqua DotsChinaProcon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.