China suspende intercâmbio militar e diplomático com EUA

Ação do governo chinês é em resposta a um pacote de US$ 6,5 bilhões de venda de armas americanas a Taiwan

Agência Estado e Efe,

06 de outubro de 2008 | 19h44

A China cancelou ou adiou uma série de contatos militares e diplomáticos com os Estados Unidos nesta segunda-feira, 6, em protesto contra um pacote de US$ 6,5 bilhões de venda de armas norte-americanas a Taiwan, informou um porta-voz do Pentágono. "A ação chinesa foi infeliz e resultará em oportunidades perdidas", disse o major Stuart Upton.   Veja também: China denuncia plano dos EUA para vender armas a Taiwan   Na sexta-feira, o governo norte-americano anunciou a venda de armas a Taiwan, que incluem helicópteros Apache e mísseis Patriot III, em notificação ao Congresso. A decisão veio três meses após o principal comandante militar norte-americano no Pacífico, almirante Timothy Keating, anunciar a suspensão da venda de armas para Taiwan. A suspensão foi vista à época como uma relutância dos EUA em contrariar a China antes da visita do presidente George W. Bush ao país por conta das Olimpíadas de Pequim.  Upton disse que visitas de oficiais de alto escalão de ambos os países e manobras conjuntas envolvendo ajuda humanitária a vítimas de desastres, que deveriam ocorrer antes do final de novembro, foram canceladas ou adiadas.   No domingo, o porta-voz do Ministério chinês de Assuntos Exteriores, Liu Jianchao, destacou a "firme oposição" de Pequim ao plano de Washington, assim como o "sério" revés que as relações sino-americanas sofrem com ele.   Liu destacou que a decisão adotada por Washington viola severamente os princípios dos comunicados assinados entre China e EUA em agosto de 1982 sobre a venda de armas a Taiwan, interfere em extremo nos assuntos internos do gigante asiático, põe em perigo a segurança nacional da China e obstaculiza o desenvolvimento pacífico das relações entre Pequim e Taipé.   "É natural que um movimento assim desperte uma grande indignação no Governo e povo chinês", acrescentou Liu, advertindo "severamente" Washington que "só há uma China no mundo e Taiwan faz parte dela".   Ele acrescentou que os EUA deveriam cumprir seu compromisso de respeitar a política de uma só China e opor-se "à chamada independência taiuanesa", e sustentou que ninguém poderá evitar que o governo e o povo chinês rejeitem as interferências externas.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaEUATaiwan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.