China terá 1,89 bilhão de viagens no Ano Novo Lunar

Os chineses estão lotando aviões, trens e ônibus, sem medo da SARS e dos preços extorsivos. Quando chega o Ano Novo Lunar, centenas de milhões de chineses aproveitam para ir para casa ou aproveitar o feriado ? um movimento de massa humana que torna irrisório o haji muçulmano.Mesmo num país que contém mais pessoas que qualquer outro, os números são assustadores: o governo calcula que cerca de 1,89 bilhão de viagens serão feitas na porção continental da China, durante a temporada de turismo do Festival de Verão, todas marcadas para quinta-feira, quando começa o ano novo.Deste número, cerca de 295 milhões de chineses, a maioria deles estudantes e trabalhadores que migraram, estarão dirigindo carros ? como se toda a população dos Estados Unidos decidisse ir para a estrada ao mesmo tempo.?É o nosso maior feriado e todo mundo está viajando mais, porque a economia está boa?, diz Tong Yin, de 21 anos, estudante.Enquanto ela espera o trem na Estação de Trem de Pequim, milhares de passageiros carregados de bagagens e sacos plásticos apressam-se à sua volta.O feriado também estimula grandes viagens às comunidades étnicas chinesas da região, especialmente os territórios chineses de Hong Kong e Taiwan.Temores de que um ressurgimento da síndrome respiratória aguda pudessem empanar o início do Ano do Macaco na China provaram-se infundados. Apenas três casos de SARS foram confirmados nesta temporada e a doença não parece estar se espalhando.Entretanto, foi este cenário ? viagens modernas em meios de alta velocidade ? que lançaram o vírus ao redor do planeta no ano passado e a China está fazendo o possível para estar, e parecer, preparada.No sábado, o ministro da Saúde e vice-primeiro-ministro Wu Yi pediu às autoridades responsáveis pelos transportes para reforçar os esforços anti-SARS. E um porta-voz do ministério promete: ?Nenhum esforço será poupado no cuidado contra a doença.?Postos de checagem de temperatura já estão disponíveis na maioria dos aeroportos e as autoridades vão impedir qualquer um que tenha febre acima dos 38º de embarcar num trem. Pessoas que embarcarem em aviões em Guangzhou, a capital de Guangdong e foco da investigação da SARS, terão de desembarcar em áreas separadas dos aeroportos para medir a temperatura.Mas a doença não é o único perigo em potencial no meio desse tumulto.Mas de 100 pessoas morreram em acidentes, na semana passada, quando centenas de milhares de trabalhadores deixavam as cidades industriais da costa leste para suas cidades natais. Multidão, vias estreitas e curvas, passagens de trânsito perigosas foram os principais culpados.O número de passageiros durante o Festival de Verão incharam nos últimos anos, tanto porque os chineses podem gastar mais com viagens como porque mais migrantes deixaram suas aldeias para trabalhar na cidade e fazem de tudo para voltar para casa.?É quase sem sentido dizer que a rede de transporte da China não tem capacidade para absorver o número de viajantes desta época do ano?, diz hoje o jornal oficial Diário da China. ?Nenhum sistema pode acomodar confortavelmente tamanha onda de tráfego humano.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.