China teria cada vez mais dispositivos estacionados no espaço

A China vem instalando de formaagressiva uma série de artefatos espaciais, entre os quaisdispositivos capazes de derrubar satélites, afirmou umcomandante das forças espaciais dos EUA na terça-feira. Esse tipo de tecnologia teria grandes implicações para acapacidade dos chineses de limitar o acesso ao estreito deTaiwan e para além dele, afirmou o brigadeiro-general doExército Jeffrey Horne, membro do Comando Estratégico dos EUA. "A China continua instalando uma ampla gama de equipamentosespaciais de defesa e de ataque", disse, em uma manifestaçãofeita Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China,um grupo de conselheiros formado por ordem do Congressonorte-americano. Horne, vice-chefe do setor espacial do Comando Estratégico,afirmou que documentos recentes do Exército de Libertação doPovo (PLA), da China, sugerem que o país asiático pode atacarsatélites espiões inimigos bem como aparelhos de navegação e dealerta avançado a fim de "cegar e ensurdecer." O fato de a China ter derrubado, sem aviso prévio, umsatélite meteorológico seu então fora de operação, em janeirode 2007, "mostra o poder do PLA de atacar satélites que ocupemuma órbita baixa da Terra", afirmou o militar. Em seu comunicado por escrito, Horne não se referiu àsconsequências da crescente presença chinesa no espaço para ahabilidade dos EUA de responder a um eventual ataque da Chinacontra Taiwan. O governo chinês vê na ilha capitalista uma Provínciarebelde que precisa regressar a seu controle, pela força senecessário. Horne disse que os EUA precisam "proteger de forma ativanossas capacidades espaciais." Entre os fabricantes de armas que estão de olho nessemercado encontram-se a Lockheed Martin Corp, a Boeing Co e aNorthrop Grumman Corp, os três maiores fornecedores dearmamentos do Pentágono.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.