China testa refrigeração centralizada para economizar energia

Projeto de US$ 23,8 milhões poderá refrigerar uma área de até 400 mil metros quadrados

Efe

30 de dezembro de 2007 | 03h03

A China decidiu testar um sistema de refrigeração centralizada em uma cidade tropical do sul do país para tentar reduzir o uso dos aparelhos de ar condicionado, um dos eletrodomésticos que mais consomem energia, informou neste domingo a imprensa estatal. A iniciativa é comandada pela empresa Hainan Guodianhuade Energy Investment e está sendo testada na cidade de Sanya, capital da ilha chinesa de Hainan e famosa nos últimos anos por ter sediado quatro edições do concurso "Miss Mundo". Uma estação dedicada a este projeto foi montada num complexo turístico da cidade, chamado Yalongwan Holiday Resort, com o objetivo de produzir gelo durante a noite - quando o consumo de energia é menor - para depois, ao longo do dia, esfriar o ar e enviá-lo ao restante dos edifícios da região. O projeto, que possui um investimento de US$ 23,8 milhões, é capaz de refrigerar 400 mil metros quadrados, através de uma rede de oito quilômetros de encanamentos. A expectativa é de economizar 15 milhões de quilowatts de eletricidade e dois milhões de metros cúbicos de gás liquidificado de petróleo (glp) por ano, assinalou a agência "Xinhua". A Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China (encarregada do planejamento econômico do país) considera que o projeto piloto "pode servir de exemplo para a economia de energia na vasta região do sul chinês", onde o ar condicionado é muito usado durante boa parte do ano. Um dos objetivos ambientais que a China fixou para os próximos cinco anos é melhorar em 20% sua eficiência energética.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaenergiaeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.