China tira do ar show de calouros que atraía milhões

Programa tinha escolha democrática de vencedores; analistas sugerem que medida teria intenção de prejudicar TV regional, rival de TV estatal nacional.

BBC Brasil, BBC

19 Setembro 2011 | 10h30

Autoridades chinesas de radiodifusão obrigaram uma TV regional a tirar do ar um popular show de calouros que atraía milhões de telespectadores.

O programa, Super Girl Voice, do canal a cabo Hunan TV, transformava artistas em celebridades nacionais desde que fora lançado, em 2004.

O órgão chinês de radiodifusão acusou o programa de desrespeitar o tempo determinado de exibição.

As autoridades já haviam imposto um limite à duração do programa, alegando estar preocupadas com a influência da atração sobre a juventude chinesa.

Mas alguns analistas da mídia chinesa acreditam que a real fonte de insatisfação das autoridades não seja o conteúdo do programa, e sim a enorme proeminência do show na TV de Sichuan, capaz de ameaçar a liderança de audiência e consequentemente o poder da estatal nacional CCTV.

O show de calouros viveu seu ápice em meados da última década, quando até 400 milhões de telespectadores sintonizavam o canal para ver a final do concurso, votando em seus candidatos preferidos através de texto e telefone.

Em 2007, porém, o programa foi banido pelas autoridades chinesas de ocupar o horário nobre na grade do país - ente 19h30 e 22h30 - ou impedido de ser transmitido por mais de duas horas diárias.

O método de votação por mensagem de texto também foi vetado, levando observadores a sugerir que as autoridades chinesas estavam incomodadas com a maneira democrática com que o programa escolhia seus vencedores.

Na sexta-feira, os responsáveis pelo programa na Hunan TV transmitiram o último episódio do programa, que será substituído por material promovendo "a ética e a moral" e abordando temas como saúde pública e dicas para a casa.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.