China treinará 10 mil pombos para garantir comunicação em caso de guerra

Segundo jornal chinês, aves também servirão para, em tempos de paz, chegarem em zonas remotas

Efe,

17 de dezembro de 2010 | 04h44

PEQUIM - A divisão do Exército de Libertação Popular na província chinesa de Sichuan treinará dez mil pombos-correio para garantir a comunicação em caso de guerra ou catástrofe natural, informou nesta sexta-feira, 17, o jornal South China Morning Post.

Segundo o diário, talvez se trate do maior "esquadrão" do mundo, que em tempos de paz será utilizado para chegar a zonas remotas.

 

A escolha de Sichuan não é casual, já que em 2008 a região sofreu um dos piores terremotos da última década, com mais de 90 mil mortos e desaparecidos e as comunicações cortadas em muitas zonas.

Províncias vizinhas, como Guizhou, Yunnan e a região do Tibete, terão estações para receber mensagens destes pombos.

 

O primeiro grupo deste tipo de aves para uso militar na China nasceu em 1950 em Yunnan (no sudoeste do país, na fronteira com Laos e Mianmar), para enviar mensagens aos vizinhos países do sudeste da Ásia, embora naquela ocasião os pombos tenham sido importados de Polônia e União Soviética.

Desde então, a capital provincial de Yunnan, Kunming, é o principal centro dedicado ao uso militar de pombos, onde mais de 50 mil destas aves já foram treinadas.

 

Os pombos-correio, lembrou o "South China Morning Post", foram utilizados nas duas guerras mundiais do século XX, sendo que na primeira delas calcula-se que 95% das mensagens transmitidas por este meio chegaram com sucesso a seu destino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.