China volta a detectar radiação em seu ar

Pelo secundo dia consecutivo foram detectadas partículas de iodo, procedentes da usina nuclear de Fukushima

Efe,

28 de março de 2011 | 03h08

PEQUIM - As autoridades chinesas de segurança nuclear detectaram pelo segundo dia consecutivo partículas de iodo 131 radioativo, procedentes da usina nuclear japonesa de Fukushima, no ar do extremo nordeste do território do país, embora tenham insistido em que sua quantidade não é prejudicial para a saúde, informou a agência Xinhua.

 

O Comitê de Coordenação Nacional para Emergências Nucleares da China assinalou que os níveis de concentração do iodo radioativo na província de Heilongjiang, fronteira com a Rússia, se mantiveram no sábado nos mesmos números que no sábado.

 

A instituição assegurou que estas concentrações não representam, por enquanto, ameaça alguma para a saúde pública ou para o meio ambiente, por isso que não foram iniciadas medidas de proteção.

 

Nos últimos dias, a China proibiu a entrada de alimentos procedentes de Fukushima e de outras localidades japonesas afetadas pelo desastre natural e posterior acidente nuclear, seguindo as recomendações do governo japonês.

 

Também detectou baixos níveis de radiação em um avião e um navio que viajaram do Japão para a China, assim como em dois cidadãos japoneses que foram hospitalizados e mais tarde tiveram alta na cidade oriental chinesa de Wuxi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.