Deng Hua/Xinhua News Agency via AP
Deng Hua/Xinhua News Agency via AP

Chinês que incendiou karaokê e matou 18 pessoas é condenado à morte

Suspeito diz que crime foi motivado por 'vingança' após ter sido rejeitado por uma garçonete

O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2018 | 01h30

PEQUIM - O suspeito de incendiar uma casa de karaokê na província de Qingyuan, no sul da China, em abril deste ano, foi condenado à morte pela justiça chinesa, informa a agência oficial de notícias Xinhua. O ataque deixou 18 mortos e quatro feridos.

Liu Chunlu foi julgado pelo Tribunal Popular Intermediário de Qingyuan. Além da pena capital, ele também perdeu todos seus direitos políticos. Na corte, ele admitiu ter cometido o incêndio com o óleo de sua motocicleta, que depois foi utilizada para bloquear a saída do edifício.

O motivo do crime, segundo Liu, foi "vingança" por ter sido rejeitado por uma garçonete e, no mesmo dia, ser interrompido em uma reunião de negócios por outro cliente do karaokê.

O incêndio causou a morte por asfixia de 18 pessoas e deixou quatro feridos. Liu Chunlu foi preso pelos policiais no dia seguinte do crime após ser identificado por testemunhas.//EFE

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia]incêndiocaraoquê

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.