Chinês se queima diante de chefe que se negava a pagar salário

Ele se cobriu de nafta e ateou fogo ao corpo; jovem de 23 anos está internado em estado grave

Efe,

30 de novembro de 2007 | 05h25

Um trabalhador imigrante chinês ateou fogo ao seu corpo como protesto contra seu chefe, que se negava a pagar o seu salário, na cidade de Shenzhen, no sul do país, informou nesta sexta-feira, 30, a agência oficial Xinhua. Yang Zengchao, de 23 anos, trabalhava em uma fábrica de bolsas. Ele se cobriu de nafta e ateou fogo ao corpo, no escritório do gerente da empresa, no domingo. O jovem e sua mulher, Liu Xiaoli, de 21 anos, começaram a trabalhar na fábrica no dia 8. Mas decidiram retornar para sua província natal, Yunnan, no sudoeste, após receber a notícia de que seu filho estava doente. O casal exigiu que o gerente pagasse 1.000 iuanes (US$ 135). Mas o chefe respondeu que só pagaria se eles trabalhassem um mês inteiro. Não havia nenhum contrato. Segundo as autoridades locais, Yang teria cometido a ação para tentar intimidar o seu chefe, e não com a intenção de se matar. Ele está sendo tratado em um hospital, com queimaduras em 90% do corpo, e corre risco de morte. O tratamento inicial terá um custo de mais de 1 milhão de iuanes, que será coberto pelo hospital.

Tudo o que sabemos sobre:
China

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.