Greg Baker/Pool via AFP
Greg Baker/Pool via AFP

Chineses de pequena aldeia descobrem que americano que os visitou há 20 anos será presidente

À época presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Biden passou por Yanzikou, não muito longe de Pequim, onde conversou com vários moradores e comprou sorvete para as crianças

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2020 | 03h00

"É muito forte!". Passados 20 anos, os moradores de uma aldeia chinesa descobrem, impactados, que o estrangeiro que os visitou um dia, de óculos Ray-Ban, logo se tornará um dos homens mais poderosos do mundo: Joe Biden.

À época presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, o agora presidente americano recém-eleito fez, em 2001, uma viagem oficial à China.

Acompanhado de autoridades chinesa, Biden passou por Yanzikou, não muito longe de Pequim, onde conversou com vários moradores e comprou sorvete para as crianças.

Tang Shaojun, que naquele momento era uma jovem mãe de família de 21 anos, estava cuidando de seu bebê de dois meses, quando os membros da delegação bateram à sua porta.

Naquela época, os estrangeiros ainda eram uma atração na China e despertavam grande curiosidade, sobretudo nas zonas rurais.

"Acho que decidiram nos visitar, porque nossa casa era a mais pobre e a mais miserável da aldeia", lembra Tang, cuja moradia foi reformada desde então.

"Sequer tínhamos geladeira, ou qualquer aparelho moderno. Nem fogão a gás. A gente cozinhava num fogão a carvão. Tinha mosca por todo o lado", acrescenta seu marido, Liu Changkai, de 40 anos.

Joe Biden segurou o bebê nos braços e lhe deu um beijo. Também lhes deixou como presente a quantia de 200 iuanes (um valor significativo à época), escondida sob um machado. A família encontrou as notas depois.

"Disse que voltaria um dia", conta Tang Shaojun, sorrindo.

Foi somente esta semana, depois que jornalistas da Agência France Press mostraram fotos de arquivo ao casal, que ambos se deram conta de que o estrangeiro que conheceram há 20 anos era Joe Biden.

Gao Shan, outro morador da aldeia, tinha 9 anos quando apertou a mão de Biden, uma cena que ficou imortalizada em uma das imagens.

O jovem recorda que o dirigente democrata lhe disse, brincando, que, talvez, um dia ele se tornasse presidente da China.

"Na época, ele me desejou boa sorte e agora vai se tornar presidente. É muito forte!", exclama Gao Shan, agora com 29 anos, funcionário no setor de vendas.

Em duas décadas, o desenvolvimento econômico da China foi fulgurante.

As velhas casas de pedra de Yanzikou foram derrubadas e transformadas em residências de dois andares, ou em alojamento para visitantes, que acolhem turistas ansiosos para visitar a Grande Muralha, muito próxima dali.

A maioria dos habitantes guarda uma lembrança bastante vaga da visita, mas as fotos da Agência France Press mostram pais e filhos reunidos ao redor de um sorridente Joe Biden.

O democrata também visitou uma igreja.

"Era muito amistoso e receptivo. Cumprimentava todos os chineses [...] Também comprou sorvete para as crianças", conta Li Hua, um agricultor de 57 anos que aparece em uma das fotos.

Li se declarou "muito orgulhoso" de que Joe Biden tenha visitado sua aldeia.

"Se não prejudicarem a China, podem voltar quando quiserem!", completou. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.