Chineses desaprovam libertação de norte-americanos

Alguns chineses reagiram com irritação hoje às notícias de que o governo irá liberar a tripulação de um avião-espião norte-americano que chocou-se com um caça chinês. "Abaixo os Estados Unidos!" gritou um homem na frente dos alojamentos onde os 24 militares estão detidos desde o acidente, dia 1º de abril. A polícia tomou um pôster que ele carregava mas não o prendeu.Mais tarde, outro homem promoveu um breve protesto semelhante nas proximidades da Casa de Convidados Nº 1 de Nanhang, em Haikou, a capital da ilha de Hainan, no mar do Sul da China."O problema não foi resolvido, então não está certo permitir que eles voltem para casa", disse o dono de uma mercearia, que só deu seu sobrenome, Fu. "É como vir até minha porta e me dar um soco. Você não pode apenas dizer que sente muito, e ir embora".A decisão de Pequim de liberar a tripulação depois de completar o que chamou de "apropriados procedimentos de viagem" atraiu rápidas críticas nos fóruns de discussão online chineses.Tais fóruns são monitorados e comentários considerados inaceitáveis para o governo são removidos. Mas eles se transformaram numa popular forma de manifestação pública durante o impasse, quando autoridades desencorajaram protestos de rua."O governo mostrou mais uma vez fraqueza", lia-se em uma mensagem colocada no site do jornal do Partido Comunista, Diário do Povo, menos de uma hora depois do anúncio da planejada liberação.A mensagem diz que a decisão é um desrespeito a Wang Wei, o piloto chinês desaparecido e transformado num herói nacional pela mídia estatal. Ele também citou o acidental bombardeio da embaixada chinesa em Belgrado por aviões dos EUA, em 1999, durante a campanha da Otan contra a Iugoslávia."Como poderíamos dizer isso para as vítimas do bombardeio da embaixada? Como poderíamos dizer isso para Wang Wei? Sua morte não valeu nada", dizia a mensagem, assinado com o pseudônimo de Waiwaili.Em Haikou, uma mulher caminhando no centro comercial com seu marido e dois filhos afirmou que os Estados Unidos deveriam primeiro pagar indenização. "Só depois poderíamos conversar sobre mandar os tripulantes americanos de volta para casa", disse a mulher, que deu apenas seu sobrenome, Xing.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.