Chineses e americanos trocam insultos pela Web

As tensões diplomáticas entre a China e os Estados Unidos já chegaram à Internet. Hackers dos dois países estão invadindo vários sites corporativos e governamentais apenas para trocar ofensas e enviar mensagens políticas. Segundo oficiais norte-americanos, os ataques são inofensivos e não causaram nenhum grande problema aos sites invadidos.Eles identificaram pelo menos oito sites governamentais que foram "visitados" desde o sábado passado, incluindo um do secretário da Câmara de Representantes dos Estados Unidos. "O que aconteceu com este site americano", dizia a página de um site supostamente invadido por um hacker chinês. No site da prefeitura da Filadélfia a mensagem deixada pelos vândalos digitais era "Abaixo o imperialismo americano".Guerra virtual - Em fóruns de discussão, os hackers chineses descreveram planos para uma "Guerra Virtual" que deveria começar hoje, 1º de maio e terminar somente no próximo sábado. Os grupos invasores, conhecidos na Web pelos nomes de Honker Union of China (União de Sirenas da China) e Red Guest Alliance (Aliança do Convidado Vermelho), listaram vários sites vulneráveis e, logo em seguida, passaram a invadir esses endereços.Não existe nenhuma prova de que o governo chinês coordenou os ataques, mas, aparentemente, Beijing também não está tomando nenhuma medida para controlar as invasões. Da mesma forma, nenhum hacker foi preso nos Estados Unidos por invadir um site na China.Desde que um caça chinês colidiu com um avião espiãonorte-americano, no mês passado, grupos de hackers do Brasil, Estados Unidos e da Europa passaram a atacar páginas americanas e chinesas. Falha na Microsoft - As invasões também aumentaram por causa de uma falha de segurança descoberta no servidor de Internet da Microsoft, que é encontrado no Windows 2000. A falha permite que hackers enviem um comando curto, de cerca de 500 caracteres, e consigam controlar completamente um computador. A Microsoft deve se manifestar sobre o problemahoje, quando também deve oferecer um correção para a falha.

Agencia Estado,

01 de maio de 2001 | 07h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.