Chineses pedem moderação em presentes de Ano Novo

O Ano do Boi, a partir de 26 de janeiro, será dos mais difíceis dos últimos dez anos

Chris Hogg, BBC

29 Dezembro 2008 | 13h03

As autoridades na China advertiram contra o uso do feriado do Ano Novo Lunar, em janeiro, como desculpa para que as pessoas troquem presentes caros. O Ano do Boi, que começa no dia 26 de janeiro, provavelmente será um dos mais difíceis que a economia chinesa enfrenta em dez anos. O órgão que fiscaliza corrupção no Partido Comunista lembrou os integrantes da agremiação que eles devem levar uma vida frugal. Os chineses estão começando a planejar festas para marcar o Ano Novo Lunar. Dar presentes é comum, não apenas no âmbito das famílias mas também entre empresas e seus clientes. Todos os anos o Partido Comunista estimula seus membros a evitarem consumo exagerado. Este ano esta postura é mais importante do que nunca. Conflito de interesses "Banquetes, visitas a pontos turísticos e presentes com dinheiro do governo são absolutamente proibidos", de acordo com a agência de notícias estatal chinesa Xinhua. O crescimento econômico da China desacelerou-se drasticamente. Fábricas estão fechando as portas e muitas pessoas estão perdendo seus empregos. Os líderes da China já estão preocupados com a manutenção da ordem pública diante de tais desafios. Queixas de corrupção por parte de integrantes do partido são comuns e a austeridade causada pelo desaquecimento da economia provavelmente vai tornar as pessoas ainda mais sensíveis à extravagância de seus membros com a aproximação do fim do ano. Mas o Ano Novo Lunar é o feriado mais importante da China. Jantares oficiais a presentes são comuns. É um hábito difícil de mudar.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.