AP
AP

Chineses prestam homenagem aos 58 mortos em incêndio em Xangai

Acidente evidenciou a contratação de trabalhadores ilegais e a má qualidade dos materiais de construção na China

Efe,

21 de novembro de 2010 | 09h24

PEQUIM - Milhares de pessoas se reuniram em Xangai para lamentar a morte de 58 pessoas em um incêndio ocorrido na última segunda-feira, 15. Acidente evidenciou a contratação de trabalhadores ilegais e a má qualidade dos materiais de construção na China. Esse foi o incêndio mais mortal registrado na capital financeira do país em décadas.


A agência oficial de notícias Xinhua informou que milhares de pessoas se reuniram na manhã deste domingo, 21, no esqueleto carbonizado do edifício de 28 andares para levar crisântemos brancos e velas em memória dos mortos. Além dos 58 mortos, 71 pessoas ficaram feridas e um número desconhecido de moradores estão desaparecidos. O governo de Xangai, disse esta semana que a maioria das vítimas foram mortas dentro de casa, sufocadas pela fumaça tóxica e altas temperaturas.

Parentes dos mortos se mostraram emocionados, enquanto o restante das milhares de pessoas mantiveram um silêncio respeitoso.

Testemunhas indicaram, no entanto, que a polícia bloqueou a passagem para transeuntes que não estivessem levando flores por receio de manifestações. País é cenário de quase 100 mil protestos anuais, devido à tensão social contra a má gestão dos quadros comunistas.

Segundo a crença chinesa, neste domingo, sete dias depois do desastre, é quando os mortos visitam seus familiares antes partirem para sempre. Os parentes preparam banquetes e queimam escadas de papel para ajudar os espíritos de seus parentes a chegar ao céu.

As faíscas de uma soldagem deram início às chamas, que se espalharam pela malha de nylon que protegia a construção e pelos andaimes de bambu.

O chefe do Partido Comunista em Xangai, Yu Zhengsheng, o prefeito Han Zheng e outras autoridades locais se juntaram ao luto e fizeram três reverências antes de deixar seus crisântemos brancos no local do edifício, onde 150 famílias viviam e que estava sendo reformado.

As autoridades detiveram doze suspeitos em conexão com o incidente, culpando os soldadores não qualificados de violar regras de segurança do trabalho e má gestão subcontratados.

Além disso, a imprensa na China, revelou a ligação entre o contratante e o governo municipal local, e alguns moradores afirmaram que as tropas de resgate chegaram tarde demais.

O incidente ocorreu poucas semanas após a Exposição Mundial de Xangai, projetada para demonstrar o desenvolvimento da cidade mais moderna da China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.