Chineses vão às ruas em protesto sobre ilhas

19/08/2012 - As disputas territoriais do Japão com seus vizinhos ressurgiram neste domingo após um grupo de ativistas nacionalistas desembarcar e levantar bandeiras em uma ilha, que é também reclamada pela China.

CLARISSA MANGUEIRA, Agência Estado

19 de agosto de 2012 | 14h42

Manifestantes chineses tomaram as ruas em protesto, viraram carros de marcas japonesas e quebraram janelas em algumas empresas de propriedade japonesa, ao mesmo tempo que a China apresentou um pedido formal para que o Japão evite um aumento das tensões.

Dez japoneses fizeram um desembarque não autorizado em Uotsuri, um arquipélago pequeno conhecido no Japão como Ilhas Senkaku, e como Ilhas Diaoyu Islands, na China. As ilhas não habitadas são rodeadas por ricos bancos de pesca e ontroladas pelo Japão, mas também são disputadas pela China e Taiwan.

Dos 10 japoneses que visitaram a ilha, cinco eram membros conservadores de uma assembleia local. "As Senkaku são sem dúvida território japonês. Espera-se que o Japão leve isso a sério", afirmou Eiji Kosaka, um membro da assembleia do distrito de Arakawa, em Tóquio.

O Ministério de Relações Exteriores da China protestou, convocando o embaixador do Japão para expressar suas queixas. "O lado japonês deve tratar adequadamente a questão atual e evitar danificar seriamente a situação geral das relações entre China e Japão", disse o porta-voz do ministério Qin Gang em um comunicado.

Tóquio rejeitou uma queixa do embaixador da China para o Japão, Cheng Yonghua, de acordo com Ministério das Relações Exteriores do Japão.

O vice-ministro de Relações Exteriores, Kenichiro Sasae, disse a Cheng em uma conversa por telefone que os protestos na China foram "lamentáveis" e exortou as autoridades chinesas a garantirem a segurança de dezenas de milhares de cidadãos japoneses, segundo o ministério. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaJapãoIlhas Senkaku

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.