Chipre diz que Turquia prejudica conversações de paz

O presidente do Chipre, Dimitris Christofias, disse hoje que a influência da Turquia sobre os turco-cipriotas pode afundar as conversações de reunificação. Christofias, que é grego-cipriota, disse que as conversações de paz podem ser prejudicadas se a comunidade internacional não pressionar a Turquia a conceder a Mehmet Ali Talat liberdade nas negociações. "Eu gostaria de enfatizar mais uma vez que se a União Europeia (UE) e outros países não convencerem a Turquia de que o senhor Talat é o negociador e precisa de completa liberdade para negociar, as coisa ficarão difíceis", disse Christofias.O Chipre foi dividido em 1974, quando a Turquia invadiu o país em resposta a um golpe de correligionários da união com a Grécia. A Turquia mantém 35 mil soldados na República Turca do Chipre, Estado reconhecido apenas por Ancara. Christofias e Talat retomaram as conversações em setembro para pôr fim a uma paralisação de quatro anos, mas ainda têm de chegar a um acordo primário. Christofias tem consistentemente culpado a Turquia por ser o principal obstáculo para a resolução de uma disputa que já dura décadas. Ele acredita que Ancara empenha-se para uma solução de dois Estados, que consolidaria sua influência sobre a ilha. "Haverá uma solução para o problema do Chipre se a Turquia mostrar compreensão e mudar sua política e sua postura", disse Christofias. Ao mesmo tempo, Christofias tem sido cuidadoso para defender Talat como alguém que não está inteiramente sob a influência da Turquia e como alguém que tem a mesma visão de um futuro Estado unificado. Não há declarações de Talat, que está em viagem a Istambul, Turquia. Mas, numa entrevista em dezembro para a agência de notícias turco-cipriota TAK, Talat criticou a postura de Christofias sobre a Turquia. "Por alguma razão, Christofias procura acusar a Turquia por cada empecilho", disse ele. "Ele insulta a Turquia com o objetivo de criticá-la. Declarações que nos definem como ''fantoche'' são muito perturbadoras", afirmou na ocasião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.