Chipre insatisfeito com recomendação da UE sobre a Turquia

O presidente do Chipre, Tassos Papadopoulos, disse nesta quinta-feira que a recomendação da Comissão Européia para suspender parcialmente as conversas sobre a entrada da Turquia na União Européia não coloca pressão suficiente sobre Ancara. A Turquia, por sua vez, afirma que continuará insistindo a se tornar membro do Bloco. "não estamos satisfeitos com a decisão pois cremos que ela não coloca nenhuma pressão sobre a Turquia para que ela cumpra com suas obrigações", disse o presidente do Chipre em seus primeiros comentários sobre a recomendação feita na quarta-feira por Bruxelas. A Turquia havia concordado em julho de 2005 a abrir seus portos e aeroportos aos dez novos membros da UE, incluindo o Chipre, como parte das condições para iniciar as conversas sobre a entrada do país no bloco. A UE começou as conversas sobre a entrada com a Turquia ainda em 2005, mas como Ancara se recusa a estender seu pacto comercial à porção grega da dividida ilha cipriota, como demandado pela Comissão Européia. Na quarta-feira, após a UE falhar em persuadir a Turquia a aceitar um acordo de compromisso para resolver a questão cipriota, a comissão recomendou que a UE congele as conversas em oito das 35 áreas de políticas que estão sendo discutidas para a adesão da Turquia. Líderes da UE irão decidir se adotam a recomendação em cúpula durante os dias 14 e 15 de dezembro em Bruxelas. Papadopoulos disse que a UE deveria dar à Turquia um cronograma rígido para que o país cumpra com suas obrigações. "Todos querem que uma forte mensagem seja enviada à Turquia. A mensagem foi dada, (mas) não é forte", disse o presidente. O Chipre foi dividido desde que a Turquia invadiu a parte norte da ilha em 1974, antecipando uma tentativa de líderes gregos que queriam anexar a ilha à Grécia. O governo cipriota grego no sul é reconhecido internacionalmente, mas a parte turca do norte é reconhecida apenas por Ancara, e tem sofrido um embargo internacional há anos. Turquia irá insistir A Turquia disse nesta quinta-feira estar determinada a continuar com a sua tentativa de entrar na UE. "Estamos determinados a continuar no nosso caminho para a União Européia", disse Namik Tan, porta-voz do Ministério do Exterior. "Temos uma estrada árdua e pela frente". Tan também reiterou que a posição turca de não abrir os portos e aeroportos a produtos cipriotas até que o embargo sobre os turcos cipriotas seja levantado. Tan disse que a decisão não implica em um congelamento, mas em uma diminuída no ritmo das negociações. "Foi uma decisão dura", afirmou. "Não foi dada uma chance à diplomacia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.