Chirac acusado de prometer ajuda a criminoso de guerra

O presidente da França, Jacques Chirac, teria prometido que o general sérvio-bósnio Ratko Mladic não seria enviado ao tribunal de crimes de guerra da ONU, em troca da libertação de dois reféns franceses em 1995, de acordo com evidências apresentadas no julgamento de Slobodan Milosevic. O escritório de Chirac emitiu nota desmentindo quaisquer negociações para libertar os pilotos franceses, capturados em Srebrenica.As alegações de que havia uma negociação envolvendo Mladic, com apoio de Chirac, foram confirmadas pelo ex-presidente da Iugoslávia, Zoran Lilic, em depoimento durante o julgamento de seu sucessor, Milosevic. O general Mladic, então chefe do Exército sérvio-bósnio, é hoje um dos dois fugitivos mais procurados pela corte internacional.Slobodan Milosevic está em julgamento por 66 acusações de crimes de guerra. O caso só deve terminar em 2005. Entre os crimes atribuídos ao ex-líder iugoslavo está o massacre de 7.000 muçulmanos em Srebrenica, área então sob proteção da ONU. O crime teria sido supervisionado pessoalmente pelo general Mladic.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.